Namoro Virtual || Fala Garota

20:52 Any Olliver 1 Comments


Nos tempos atuais onde a tecnologia é avançada e facilita tanto o cotidiano, não se pode destacar a possibilidade do amor a distância acontecer. Afinal, este sentimento seria honesto apenas perante ao físico, ao presencial? Há danos ou privilégios ao embarcar em um romance a distância? Qual seria a posição de uma seguidora de Cristo diante a isso?
Primeiramente, para analisarmos o assunto, temos de começar do início...
Ao ter uma pessoa no coração e pensamentos, há de se ponderar que para qualquer início de envolvimento amoroso, deve-se ter a direção e permissão do Eterno. Se dizemos confessa-lO como Senhor de nossas vidas, se O assumimos como Suficiente Salvador, devemos ter Sua participação em nossos assuntos particulares. Aliás, devemos ter sua Vontade estabelecida sobre nossos dias, na certeza de que esta nos trará segurança e felicidade.
Um relacionamento virtual continua sendo um relacionamento e necessita como em todos os outros a direção divina. Se uma moça a tem, então não há restrições quanto a isso. Creio que Deus pode unir duas pessoas distantes para estabelecer seus planos em suas vidas. Porque pensar apenas no contato físico quando o espiritual e sentimental é mais forte que ele? O amor não seria real apenas em curta distância, quem já amou um ente querido ou amigo que não está ao lado, sabe que não.
Na Bíblia não se encontra negativas quanto a relacionamentos á distância, é claro, por ser algo de surgimento atual, mas há instruções sobre relacionamento e elas são adequáveis a todos os tipos.
Um seguidor de Cristo namora no intuito de se casar. O fato de um namoro ser virtual não diminui a responsabilidade. A fidelidade ao parceiro por exemplo, é preciso manter quando não se está conectado. O respeito, os deveres, os planos e preparações para o futuro também.
Da mesma forma que um namoro virtual não exclui as responsabilidade, não exclui também a moral. A santidade é por inúmeras vezes pedida nas Escrituras, inclusive em um relacionamento. (1 Coríntios 6:18)
Estar sempre distante do outro fisicamente, pode trazer uma boba idéia de que não há possibilidade de haver pecados ou transgressões, mas não é verdade. Como nos relacionamentos presenciais pode haver e há pecado. A lascívia está presente na tecnologia também. Infelizmente muitos casais para sanar suas necessidades carnais abrem margem para ela através de vídeos, fotos, "brincadeiras" (se é que assim pode-se chama-las), ligações e tudo mais que a mente humana pode sugerir. E estes atos são tão graves quanto qualquer outros, maculam a alma. Dois jovens dessa forma, mesmo sendo virgens ou fazendo abstinência sexual, podem não serem puros, indo contra a proposta real do namoro, que é o conhecimento espiritual e sentimental de ambos como também a preparação dos mesmos para o estabelecimento de uma família.
Ao longo de minha juventude pude ouvir relatos de amigas e moças que chegavam até a mim, contando de suas experiências com envolvimentos virtuais. Geralmente começava tudo com uma solicitação de amizade e mensagens privadas. Logo após, longas madrugadas de conversas e sentimentos expostos e confiados, surgiam. A confiança era tão forte que se transformava logo em sentimento. O pedido era feito, algumas orações eram sussurradas a Deus, e então era dado o início do relacionamento. Alguns destes relacionamentos chegavam a se tornar presencial, mas Infelizmente, a maioria terminava em decepções, em pecado, em traição, em ilusão... De alguma forma, elas saíam – ou permaneciam – com o coração maltratado. Mas o problema de fato que envolve o namoro virtual, é o mesmo que envolve tantas outras tendências, boas ou não: Os cristãos desfocados. O Apóstolo Paulo nos instrui em Romanos 12 verso 1: “E não vos conformeis com este século, mas, transformai-vos pela renovação da vossa mente para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”
Somos nós, nossas mentes moças. É o nosso desfoco de Cristo, nossa inocência, pequenez e infantilidade espiritual. É também essa aflição que nos envolve, nos fazendo querer dar "uma mãozinha a Deus", ao se jogar em sites de relacionamentos online cristãos ou seculares (o que não diz que os sites cristãos são errados, mas que muitas das vezes não são a melhor escolha em determinadas fazes da vida). Deus não necessita de nossa ajuda para escrever nosso futuro e não precisamos procurar alguém! Essa é a absoluta verdade. Precisamos cuidar da parte cabível a nós, de nossa vida e comunhão com o Pai. Mas, se por ventura surgir uma certa "empatia" ao conhecer alguém nas redes sociais, o que geralmente é comum acontecer, que não seja motivo de angústia, mas que seja tratado como qualquer outro acontecimento deve ser: Com foco.
É importante saber que antes de levar alguém em oração a Deus, já o tendo no coração, deve-se atentar a conduta e isso não é apenas na vida virtual. A vontade de Deus para uma filha é que a mesma, tenha ao lado um homem que lhe ame e lhe trate como Cristo amou e tratou a igreja. Cristo não era casado com uma companheira, mas é o maior exemplo de esposo que já existiu sobre a face da terra. Tendo então seu comportamento como base, analizar a conduta do amigo virtual é perfeitamente aceitável, básico e essencial tanto quanto é observar o amigo que se conhece pessoalmente. Deve-se atentar para a forma de pensamento nas publicações e comentários. Para a forma como ele lida com as demais amigas virtuais e trata os familiares. Para os lugares que frequenta nas citações, curtidas e fotográfias, e principalmente para sua conduta no chat, ao conversar no privado, ver se libera "insinuações" ou más sugestões, se profere elogios maliciosos ou fúteis, se tem pressa em conhece-la e conhecer os detalhes e privacidade de sua vida. E um ponto importante aliás, é que a internet não exclui a educação. Os comprimentos básicos e respeitosos são bem vindos e inclusive são típicos de quem os exerce em seu dia-a-dia quando está "desconectado". Então é importante ficar atenta a tudo isto, tendo ciência de que quase ninguém realmente aparenta ser o que é virtualmente! Eles podem atuar e atuam. Mas olhando os detalhes e comparando-os à Bíblia e a pessoa de Cristo; Deus há de revelar aos olhos o que está encoberto, cedo ou tarde.
O que não pode é ser ingênua, é confiar cegamente em quem se conhece por mensagens, abrindo seu mundo e permitindo-se cometer atos que vão contra a boa conduta e decência. Quem ama jamais levará o outro a errar, ou a pecar contra a Santa imagem de Deus. Ainda hoje há uma grande necessidade das moças cristãs saberem que não é adequado depositar em quem se conhece virtualmente o coração fazendo dele seu único tesouro que a faz fugir do mundo real. Não se pode levar a ele coisas que só a Deus se leva. Há muitas mentes maldosas, há muitos lobos trajados de príncipe que só esperam carência e imprudência vinda de ovelhas.  
E por fim, não se pode aceitar ser a companheira quando se na verdade é apenas mais uma da "lista de favoritos", a qual até alguns presentes pelo correio pode receber, mas nunca a presença física e o convite ao altar. E se receber a presença física talvez não seja acompanhada de boas intenções.
Quando se está focada, não há brechas. E quem não tem boas e sinceras intenções logo percebe e se afasta.
A proposta em relação ao namoro virtual, é que haja atenção, cautela e prudência. Que haja a direção divina – e se ela haver – talvez um convite a uma corte seja o mais adequado. Afinal a intenção da corte é justamente o conhecimento sem o contato físico. Durante este tempo, na permissão do Espírito, que o sonhado encontro seja marcado então, de preferência em um evento cristão ou em um culto onde esteja acompanhada, para que a ansiedade e saudade não fale mais alto que o pudor. Afinal tudo que começa com Deus tende a seguir bem.
E assim depois de se conhecer pessoalmente, que tudo se encaminhe em santidade e foco. Afinal, o namoro virtual pode ser o começo, mas não se vive nele para sempre. Quem ama vem, quer conhecer os pais – sendo de menor ou não, pois família é importante e respeito não saiu de moda – e tem a formação de uma família no futuro, como um de seus objetivos.
Portanto nossa conduta perante o namoro virtual é o que de fato é importante. Uniões a distancia são raras, mas podem acontecer. E se acontecer e uma moça cristã julgar que consegue lidar com as dificuldades que ela estabelece, que seja dentro da prudência, moral e acima de tudo; da suprema vontade do Eterno.
“Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios.
Remindo o tempo; porquanto os dias são maus.
Pelo que não sejais insensatos, mas entendais qual seja a vontade do Senhor.”
(Efésios 5:15,16,17)

Um comentário:

  1. Maravilhoso o texto,tive alguns relacionamentos a distância,mas nem todos deram lá muito certo,mas ate o dia em que conheci alguém diferente,esse alguém hoje é meu esposo,e creio que Deus nos uniu para a salvação de ambos,pois ele estava afastado da igreja e eu enfim,não conhecia esse Deus tão maravilhoso,foi um risco,sim foi,e muito difícil também,mas graças a Deus o seu plano se cumpriu em nossas vidas e hoje nos dedicamos a estar cada vez mais e mais próximos de Deus,hoje entendo o quanto é extremamente importante levarmos a Deus primeiramente antes de tomarmos decisões,pois só ele sabe o nosso amanhã,e nos planos de Deus não há erros,só precisamos confiar e esperar,pois tudo é no tempo e na vontade dele

    ResponderExcluir

Sua opinião é extremamente importante, Comente!