Nada é sobre nós, nada é nosso também || Fala Garota

18:05 Any Olliver 0 Comments


Como se tem cuidado do corpo? Aliás: Como deve ser cuidado o corpo? Melhor seria a pergunta.
Este assunto vai além de amor próprio, além de cuidados estéticos, além de comer vegetais e ir a academia todos os domingos.
Nada é sobre nós, nada é nosso.
Nossa própria vida, foi comprada por um preço altíssimo e então foi nos devolvida. Esse é um dos grandes fascínios do Cristianismo. Podíamos ser privados da liberdade, seria justo! O pecado nos havia escravizado e levado a humanidade a um destino certo além da vida: Morte e sofrimento. Porém, o sangue de um inocente cobre todo pecado desde o início dos tempos, só que animais e ensinamentos de homens enviados pelo Eterno não era mais suficiente diante tamanha injustiça e violência sobre a terra. Então o plano perfeito foi posto em prática e um novo e suficiente sacrifício foi feito. Cristo veio, ensinou, fez-nos saber que temos um Deus, um Pai, nos comprou e quando podíamos ser escravos; nos deu o direito de filhos. Livres filhos.
Gosto de pensar que Somos como uma grande e formosa casa onde o nome do proprietário no contrato é o de Cristo, mas abrimos a porta para os estranhos e declaramos: – “A casa é minha!” Por ter total permissão de moradia e desfrute da propriedade; por ter em mãos a chave! Desta maneira também nos é dado a responsabilidade de zelar pelo bem do local.
De volte e meia, se vê muitas pessoas, se julgar no direito de danificar tão vela obra, perfurar as firmes paredes, danificar tão lindo telhado e detonar a grama do jardim, pelo simples tempo de moradia ali.
O fato é que estamos a tanto tempo pensando em nós mesmos, que as vezes esquecemos de Cristo. Esquecemos do início: Quando tomamos posse da chave.
Mas a loucura para os povos e sábia atitude para os cristãos, é justamente a devolução desta chave. Quando há entrega, há convicção da realidade. Há rendição diante de tanto amor.
Um compromisso é assumido quando uma moça entrega sua vida a Cristo. Mas o fato da entrega não elimina a responsabilidade que se tem com ela.
Quão profundas e claras são as palavras do Apóstolo Paulo aos Coríntios, a respeito do cuidado com o corpo e vida:
Alguém vai dizer: “Eu posso fazer tudo o que quero.” Pode, sim, mas nem tudo é bom para você. Eu poderia dizer: “Posso fazer qualquer coisa.” Mas não vou deixar que nada me escravize.
Outro vai dizer: “O alimento existe para o estômago, e o estômago existe para o alimento.” Sim, mas Deus acabará com os dois. O nosso corpo não existe para praticar a imoralidade, mas para servir o Senhor; e o Senhor cuida do nosso corpo.
Pelo seu poder Deus ressuscitou o Senhor e também ressuscitará a nós.
Será que vocês não sabem que o corpo de vocês faz parte do corpo de Cristo? Será que eu vou pegar uma parte do corpo de Cristo e fazer com que ela seja parte do corpo de uma meretriz? É claro que não!
[...] Será que vocês não sabem que o corpo de vocês é o templo do Espírito Santo, que vive em vocês e lhes foi dado por Deus? Vocês não pertencem a vocês mesmos, mas a Deus, pois ele os comprou e pagou o preço. Portanto, usem o seu corpo para a glória dele.
- (1 Coríntios 6:12-15 e 19,20)
Desde a época da Bíblia existia as falas que ouvimos nos dias atuais. Povos que diziam: – “O que é belo deve ser mostrado.”, – “Porque Deus criaria algo e o deixaria disponível se não pudéssemos experimenta-lo?”... E outras comentários do tipo.
Pessoas que erram e se sentem no "direito" de fazerem isso, desrespeitando o tempo apropriado e ultrapassando limites – estabelecidos para o próprio bem estar – assim enganadas, achando estarem corretas.
Não existimos para o mal. Não fomos criados para ele e a imagem dEle, mas sim para o Deus Altíssimo e à sua perfeita imagem.
No início, nosso estado era perfeito, como o Deus que nos formou. Quando se aceita a Cristo o intuído é "voltar a esse estado", caminhar tendo ele – a perfeição – como alvo.
A santidade é algo extremamente importante para uma moça que assume os princípios cristãos. Ela não é só questão de responsabilidade mas também de amor e assim respeito.
O celibato por exemplo, é uma fase perfeita para exerce-la, mas é vista como uma tortura ou algo feito para passar rápido! Essa fase de solteirice não deve ser utilizada como uma etapa de degustação, para se adquirir certas experiências para o matrimônio. Não deve também e não precisa ser, um tempo sombrio do qual no futuro, com família já estabelecida; seja algo do que se tenha vergonha e repulsa. Quem ainda vive o celibato, deve saber que está em uma das melhores fases para servir a Deus e ao Reino com boas obras. Sem preocupações e problemas de uma vida com família e responsabilidades conjugais estabelecidas.
Já as comprometida em um relacionamento também devem zelar pela santidade que lhe é estabelecida e estar atenta as astutas ciladas de nosso lado carnal, a própria natureza humana, a qual é morta um pouco a cada dia, na busca pela santidade. 
É preciso respeito!
Desrespeitar seu próprio corpo é desrespeitar diretamente a Deus. É bagunçar com a casa e meio que (como se fosse possível) obrigar o Santo Espírito repousar ali, em suas visitas. Esse é um dos motivos de tanta ausência do Espírito nos dias atuais. É horrível O imaginar nos assistindo em meio à nossas práticas ilícitas, às nossas promiscuidades.
Ao falar em meretriz o Apóstolo Paulo não se referiu propriamente a uma prostituta, uma mulher que lucra com seu corpo. Mas teve tal profissão como exemplo, pois uma meretriz não é fiel a uma única pessoa, assim se entregando e fazendo laços com várias outras, utilizando seu corpo.
Quando nos aprofundamos em certos assuntos, práticas, pensamentos ou sentimentos, geramos um vínculo com eles, temos intimidade com o que não cabe a nós ter.
Trairíamos a Cristo? Deixaríamos nos tornar escravas de práticas ilícitas? Mudaríamos o nosso foco, nosso alvo? A santidade passaria a ser conto para criança? São perguntas que devem ser feitas antes de ações.
Se há um compromisso com Deus, então deve-se honra-lo! Mesmo que haja quedas, pois somos falhas. Mas isso não deve ser utilizado de desculpa, pois as Escrituras afirmam que “quem é nascido de Deus não vive pecando.” (1 João 5:18) ou seja, não diz que não peca, mas que não vive em constante erro, em uma vida obscura como os tempos antigos. E isso não é impossível, fomos criadas para sermos assim. Nascemos para a santidade.
Os danos da masturbação, drogas, álcool, auto-mutilação, prostituição e demais práticas parecidas vão além do nosso corpo, são uma afronta à santidade de Deus, é um pedido de retirada para a sua gloriosa presença. Afeta diretamente a Ele pois afeta primeiramente ao seus filhos que Ele tanto ama.
A importância de se cuidar e guardar das paixões, práticas e vícios; é grandiosa, vai além de amor próprio.
E tal zelo necessário não se aplica apenas ao corpo físico, apenas à ações, pois há muitas formas de desrespeito sem envolver ações efetivas, como por exemplo: pensamentos, cogitações, imaginações, desejos e sentimentos.
Tudo feito deve ser para a glória e honra de Deus.
As roupas utilizadas devem revelar a glória dEle, as palavras faladas, as ações exercidas devem honra-lo. Às práticas, os passa-tempos – tudo – não deve denigri-lO ou envergonha-lO.
Há uma raridade imensa em cada mulher cristã, há uma importância sem medida. Ao entrar para o Evangelho ela – corpo, alma e seu espírito – se torna parte do corpo de Cristo. Parte do Reino. Um tesouro peculiar, do próprio Deus Vivente. A casa dos TRÊS. Criada para ser amada e cuidado com todo carinho instrui as Escrituras. (Efésios 5:25-30)
Tal tesouro não pode, não deve ser violado. Não é local abandonado. Possui dono e Ele zela por ele.
Portanto nossa liberdade é para ser filha do Eterno. Para fazer o que antes do sacrifício de Cristo não era possível ser feito constantemente – o bem! E exerce-lo, praticar e experimentar apenas o que é lícito e adequável ao momento, respeitar as fases, facilita muito a seguir em frente, nos promove boa vida.
Portanto nada nos é indicado a não se envolver por castigo, mas por zelo.
A chave de nossas vidas pertence a Deus.
O que é feito com o próprio corpo, mente, alma e espírito – seja em particular ou em público – deve ser feito pensando primeiramente nEle. Ele é o centro, Ele é o começo. Nunca, nada foi sobre nós, nada é nosso também.
Cuide bem da propriedade do Eterno.

0 comentários:

Sua opinião é extremamente importante, Comente!